Pretensa dialética sofística na ridícula imprensa brasileira

13:29

A grande imprensa brasileira, notadamente composta por analfabetos funcionais, quando não documenta fatos velados por um constrangedor oceano de concepções perdidas, o faz através de intenções e técnicas maliciosas, à moda sofística.

O exemplo mais atual é o da abertura do artigo do site G1, da Rede Globo, sobre o mais recente atentado islâmico na França:

"Um caminhão atropelou diversas pessoas nesta quinta-feira (14) que estavam assistindo à queima de fogos em comemoração ao 14 de Julho, Dia da Bastilha, em Nice, no sul da França, matando dezenas [1]".

Um caminhão atropelou diversas pessoas... Um caminhão. CAMINHÃO!

Sim, foi um caminhão, e não um terrorista dirigindo um caminhão. Muito menos um terrorista islâmico dirigindo um caminhão. Tal possibilidade causaria um choque na divulgação da "pacífica" agenda multiculturalista, para a qual a educação cristã de crianças atenta contra os direitos humanos [2], mas a emancipação do islamismo é considerada, em contrapartida, colorida, alegre e promotora de tolerância. Jamais, para a grande mídia, um islâmico seria o responsável por assassinar franceses. É apenas um caminhão mesmo.

Mais adiante, o mesmo artigo completa:

"Táxis que estavam na região transportaram gratuitamente pessoas que tentavam deixar o local logo após o caminhão avançar sobre a multidão."

Essa manipulação de palavras [3], que na dialética erística, entre os sofistas, era articulada com maior refinamento, no espaço midiático brasileiro adquire contornos grotescos e ainda mais debochantes do interlocutor. Na lógica dos sofistas, táticas como a de manipulação semântica [4] eram instrumentalizadas com um arsenal de metonímias que imprimiam um maior embotamento no discurso e pressupunham maior capacidade intelectual do adversário. Na grande imprensa do Brasil, aparentemente, não há o menor cuidado em substituir-se um objeto por outro, uma pessoa por um conceito abstrato ou um caso específico por uma generalização difusa e enevoada.

A maldosa manipulação da semântica na grande mídia, embora seja imoral, não é erística clássica: é pornografia retórica da mais barata! É um misto dantesco de más intenções e estupidez marionetada! É uma escatologia globalista na retaguarda de um ardil mequetrefe!



Notas e referências
1. G1. Ataque com caminhão deixa dezenas de mortos em Nice, no sul da França. Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/07/veiculo-atinge-multidao-em-queima-de-fogos-do-14-de-julho-em-nice.html>. Acesso em: 15 de jul. 2016.

2. CHAGAS, Tiago. ONU diz que levar crianças a cultos viola Direitos Humanos e quer impor limites aos pais. Disponível em: <https://noticias.gospelmais.com.br/onu-levar-criancas-cultos-viola-direitos-humanos-83841.html>. Acesso em: 15 de jul. 2016.

3. Leia também meu artigo A infame indignação da mídia esquerdista sobre o recente atentado islâmico em Orlando, disponível em: <http://www.teologiaexpressa.com/2016/06/a-infame-indignacao-da-midia.html?m=0>

4. SCHOPENHAUER, Arthur. Como vencer um debate sem precisar ter razão. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997, p. 142.

Posts Relacionados

0 comentários

Curta no Facebook

Receba artigos em seu email